Como otimizar seu processo de aprendizagem utilizando a técnica VARK

Escrito em  |

Você sabe qual é sua forma de aprender?

Como deve ficar claro em seu dia a dia, cada ser humano aprende de uma maneira distinta. Uns anotam absolutamente tudo que é dito em sala de aula, ao passo que outros preferem testar teorias no laboratório.

Alguns estudantes, ainda, são capazes de repetir o que ouviram sem qualquer auxílio visual.

Pois é, a cognição humana é como um prisma, sendo que muitas de suas facetas ainda nos são ocultas. Hoje, porém, vamos falar do que já sabemos sobre ela.

Nossa proposta é apresentar a técnica VARK e como ela pode otimizar seu processo de aprendizagem no mundo VUCA.

Boa leitura!

O que é VARK?

VARK é um acrônimo da língua inglesa que designa as quatro modalidades de aprendizagem:

  • Visual (visual);
  • Auditory (auditiva);
  • Read/Write (leitura/escrita);
  • Kinesthetic (cinestésica).

Você pode nunca ter ouvido falar delas, mas, ainda assim, garantimos que vai se identificar com as explicações a seguir.

1. Visual

Indivíduos que têm facilidade com esse tipo de aprendizado costumam assimilar informações dispostas como gráficos, diagramas, mapas e símbolos (flechas, listas, círculos etc.).

Trata-se de uma percepção essencialmente gráfica e hierárquica do conhecimento, seja em uma sala de aula, seja em um projeto profissional.

Podemos chamar os profissionais, professores e estudantes que se identificam com essa modalidade de “designers da informação”, uma vez que eles naturalmente visualizam o conhecimento.

2. Auditiva

Aqueles que apresentam preferência auditiva, assimilam com mais eficiência informações sonoras. São grandes memorizadores de conversas, palestras, entrevistas, ou seja, do conhecimento falado e ouvido.

Uma característica comum desse tipo é que ele geralmente repete as informações ouvidas em voz alta e, mais de uma vez, revisita um conceito que já foi exposto ou debatido.

Isso porque essas pessoas precisassem experimentar, com a própria voz, os conceitos a serem aprendidos.

3. Leitura/escrita

É a modalidade que engloba a maioria dos acadêmicos. São aquelas pessoas que têm facilidade em lidar com informações expressas na forma de palavras. Geralmente, são as que tomam nota em uma aula, que elaboram resumos e esquemas para explicar, de sua maneira, os conhecimentos passados pelo professor.

Inclui, como mencionamos, absorção de informações, mas também sua exposição. Esses indivíduos possuem facilidade em transformar conhecimentos abstratos em linguagem escrita. Via de regras, são assíduos leitores.

4. Cinestésica

Essa modalidade corresponde à prática e à experimentação no aprendizado. Estudantes que apresentam esse tipo de preferência assimilam novas informações e conhecimentos por meio de exemplos práticos, experiências reais ou simuladas e projeções.

São pessoas cujo senso de realidade no momento da aprendizagem é concreto, e que, portanto, precisam vivenciar o conhecimento. Costumam valorizar seu histórico de vida e o invocam na hora de aprender algo novo.

O cérebro multimodal  

Pois bem, você pode ter se identificado fortemente com uma dessas modalidades. No entanto, é essencial compreender que nosso aparato cognitivo, assim como nossa vida, é essencialmente multimodal.

Poucas pessoas assimilam conhecimento exclusivamente de uma maneira. O que acontece é que há uma predominância de um estilo ou outro, dependendo da situação.

Em outras palavras, você pode se identificar mais com uma forma de aprendizado, mas, mesmo que intuitivamente, utiliza todas as outras. Joana assimila informações mais facilmente ao visualizá-las, mas ao elaborar uma apresentação, por exemplo, precisa experimentar os conceitos na prática antes de dominar e se comprometer com sua parte.

Há ainda indivíduos que não exibem nenhum estilo predominante, e que se adaptam de acordo com o contexto. Outros, ainda, buscam assimilar o máximo possível em todas as modalidades, levando, com isso, mais tempo para chegar a um resultado. Por conta disso, costumam atingir um entendimento mais profundo e amplo do assunto em questão.

Como otimizar seu processo de aprendizagem a partir da técnica VARK?

O primeiro passo para otimizar seu processo de aprendizagem é descobrir qual é seu modelo predominante e em quais contextos ele se manifesta.

Você pode ser do tipo auditivo em relação a matérias e assuntos teóricos, mas visual ao assimilar conhecimentos essencialmente práticos, como a Matemática.

Entenda, portanto, quais são suas forças e dificuldades no momento de estudar. Depois, invista seu tempo em técnicas de estudo que geram resultado para seu modelo.

Sendo do tipo visual, por exemplo, há inúmeras ferramentas online que podem ajudá-lo a elaborar gráficos, esquemas e mapas mentais.

Se você gosta de estudar em grupo ou colaborar, é interessante encontrar quem tenha um estilo similar ou complementar ao seu, a fim de compartilhar recursos e potencializar o aprendizado. Dois colegas que se apoiam no modelo auditivo, por exemplo, podem se beneficiar de uma conversa ou debate em torno de uma matéria complexa.

É tudo, perceba, questão de descobrir o que realmente funciona para você e canalizar seu esforço.

A aprendizagem no mundo VUCA

Outro acrônimo em inglês, VUCA corresponde a:

  • Volatile (volátil);
  • Uncertain (incerto);
  • Complex (complexo);
  • Ambiguous (ambíguo).

Trata-se de uma descrição do mundo contemporâneo, que se torna mais acelerado e, de fato, complexo a cada dia.

Na educação, parte dessa complexidade se deve ao fato de que o conhecimento torna-se cada vez mais compartimentalizado e específico, ao mesmo tempo em que se percebe que é necessário ser multidisciplinar para superar os desafios do cotidiano.

No mundo VUCA, há ainda o fato de que muitas práticas e saberes tornam-se obsoletos de um dia para o outro, o que obriga a maioria dos profissionais a se engajar em uma busca constante por atualização e reciclagem. Mas como identificar o que é verdadeiramente proveitoso na enxurrada de informações a que somos submetidos diariamente?

É aí que surge a necessidade de compreender o próprio modelo e processo de aprendizagem e empregar técnicas compatíveis para otimizá-lo!

A técnica VARK tem como proposta guiar professores e alunos no entendimento das próprias particularidades cognitivas, funcionando como uma bússola nessa atmosfera volátil e incerta.

Assim, podemos afirmar que potencializar a aprendizagem demanda um trabalho ao mesmo tempo individual e coletivo de conscientização, que só é garantido quando professores e alunos conhecem suas necessidades cognitivas e utilizam as ferramentas certas para construir, colaborar e compartilhar conhecimento.

Sentindo-se inspirado? Que tal assinar nossa newsletter e ter acesso a outros conteúdos e artigos como este?

Bem-vindos ao nosso novo website! Ele está passando por testes e atualizações, e deverão ocorrer mudanças e ajustes nos conteúdos, formatação e links nos próximos dias.